O Ludlul-Bel-Nimeqi - Não é um mero

Artigo

Joshua J. Mark
por , traduzido por Eugnostos D. Wolf
publicado em 06 Março 2011
X
translations icon
Disponível em outros idiomas: Inglês

O Ludlul-Bel-Nimeqi é um poema babilônico que narra o lamento de um bom homem sofrendo imerecidamente. Também conhecido como 'O Poema do Justo Sofredor', o título pode ser traduzido como "Eu louvarei o Senhor da Sabedoria". No poema, Tabu-utul-Bel, de 52 anos, um oficial da cidade de Nippur, clama que foi afligido por várias dores e injustiças e, afirmando seu próprio comportamento justo, questiona o porque dos deuses permitirem o seu sofrimento. Nisto, o poema trata a velha questão de "por que coisas ruins acontecem a pessoas boas" e o poema foi, portanto, vinculado à composição hebraica posterior, O Livro de Jó. Não existe consenso acadêmico sobre uma data para a escrita de Jó (nem, a respeito disto, quando a história relatada supostamente ocorreu), mas muitos apontam para os séculos 7, 6 ou 4 AEC como possibilidades, enquanto Ludlul-Bel- Nimeqi data de 1700 AEC. O poema babilônico foi provavelmente inspirado na obra suméria anterior, Homem e seu Deus/Man and his God (composta por volta de 2000 AEC) que, de acordo com Samuel Noah Kramer, foi escrita "com o propósito de prescrever a atitude e conduta adequadas para uma vítima de cruel e infortúnio aparentemente imerecido "(589). Neste, o poema segue um paradigma de escritores babilônios que pegaram emprestado de peças/pedaços sumérias anteriores, conforme exemplificado na Epopéia de Gilgamesh, onde o escriba babilônico Shin-Leqi-Unninni (1300-1000 AEC) baseou-se em contos sumérios separados do rei de Uruk e os transformou no agora famoso épico.

Cuneiform Writing
Escrita Cuneiforme
Jan van der Crabben (CC BY-NC-SA)

Não há dúvida de que várias narrativas bíblicas do Antigo Testamento têm suas origens nas obras sumérias. A Queda do Homem e o Dilúvio de Noé no Gênesis, por exemplo, podem ser rastreados pelo passado através das obras sumérias Adapa e Atrahasis. Por causa da semelhança dos temas tratados em Ludlul-Bel-Nimeqi e , muitos(so many) compararam estas duas obras que existem hoje, alegando-se de que O Livro de Jó foi derivado da obra anterior(LudLuL Bel Nimeq) da mesma forma que ocorre com a história do Dilúvio. Embora haja, obviamente, algum mérito nesta afirmação e que tal comparação é lucrativa, parece um desserviço a ambas as obras ao lê-las apenas pelo que oferecem a respeito do empréstimo literário. O Ludlul-Bel-Nimeqi poderia facilmente ser comparado a outros livros da Bíblia, como Eclesiastes ou o terceiro capítulo de As Lamentações de Jeremias. O orador em Eclesiastes faz as mesmas perguntas que Tabu-utul-Bel e Lamentações, capítulo três, tem imagens muito semelhantes a Ludlul-Bel-Nimeqi. Embora seja certamente possível que a obra posterior tenha se baseado na anterior (como o Ludlul-Bel-Nimeqi mais provavelmente se baseou no 'Homem e Seu Deus', obra anterior), é igualmente possível que as duas obras tratem simplesmente do mesmo tema. As pessoas nos dias modernos ainda estão lutando com a questão de por que pessoas boas sofrem. Quando os leitores modernos insistem que o Livro de Jó deriva de Ludlul-Bel-Nimeqi, parece que relegam o poema anterior como sendo uma mera fonte de material em vez de apreciar a obra pelo que ela tem a dizer sobre a condição humana.

Remover publicidades

Advertisement

Existem mais diferenças significativas entre O Livro de Jó e a obra da Babilônia do que semelhanças e, embora possa ser que a obra anterior tenha sido desenhada como fonte de material para a posterior, ler Ludlul-Bel-Nimeqi simplesmente como um esboço rascunho 'da narrativa bíblica (ou descartar Jó como' derivado ') é rebaixar as obras e também perder o foco das peças. A questão 'por que coisas ruins acontecem a pessoas boas' é tão antiga quanto os próprios seres humanos. Tabu-utul-Bel, como Jó, sofre terríveis sofrimentos, embora tenha sido muito religioso, observando todos os ritos e orações. Ele diz: "Mas eu mesmo refletia em orações e súplicas - a oração era minha sabedoria, sacrifício a minha dignidade" e ainda assim ele sofre. Jó diz da mesma forma: "O meu pé segurou os seus passos, guardei o seu caminho e não reclamei. Nem voltei do mandamento dos seus lábios; estimei as palavras da sua boca mais do que o meu alimento necessário" ( 22: 11-12). Ambas as obras perguntam como um ser humano deve entender a vontade de Deus e, no final, ambos os protagonistas são curados de suas aflições por meio da intervenção divina.

As diferenças, no entanto, estão nos detalhes das duas obras e na cultura da qual nasceram. A diferença mais óbvia entre os dois é que a obra babilônica é um monólogo, enquanto a composição hebraica é um drama. Deixando isso de lado, entretanto, e também garantindo a diferença óbvia entre a libertação de Jó pelo próprio Deus e a salvação de Tabu-utul-Bel por meio de um necromante, a diferença mais significativa é em sobre o que consiste o sofrimento e a representação das divindades.

Remover publicidades

Advertisement

Tabu-utul-Bel sofre em sua pessoa e extrapola desse sofrimento para considerar os sofrimentos dos outros e a futilidade da existência (“Onde o homem pode aprender os caminhos de Deus? Quem vive à noite morre pela manhã ... Em um momento ele canta e toca; num piscar de olhos, ele uiva como um enlutado fúnebre "). Jó sofre em sua pessoa, mas também deve suportar a morte de seus filhos e a perda de tudo pelo que trabalhou em sua vida. Ele, também, considera o sofrimento dos outros e se pergunta como alguém pode aprender a razão disso ("Oh! Que se rogasse por um homem perante Deus, como um homem roga pelo seu próximo" ( 16:21). As próprias divindades , no entanto, revelam a maior diferença nas duas obras.

Na antiga religião mesopotâmica, havia entre 300 - 1000 divindades trabalhando em qualquer época e, sendo assim, o bem que um deus como Marduk poderia desejar para um indivíduo poderia ser frustrado por outro como Erra. A reclamação de Tabu-utul-Bel é que ele não deveria sofrer porque fez o certo por seu deus e, embora ninguém fosse o culpar por reclamar das muitas aflições que ele lista, ele teria que saber que não era culpa de Marduk por ele estar sofrendo assim, nem por sua própria culpa; o sofrimento pode vir de qualquer uma das muitas divindades e por qualquer motivo. A tabuinha de Oração Penitencial a Todos os Deuses (datada da Suméria de meados do século VII) deixa isso claro, pois o penitente nessa oração implora por misericórdia e perdão de qualquer deus que tenha ofendido sem saber.

Remover publicidades

Advertisement

Tabu-utul-Bel é curado no final da peça por um necromante (mágico) que Marduk lhe envia e o título do poema elogia Marduk pela cura. Na peça babilônica, então, o problema do sofrimento é tratado por meio de um deus (entre muitos) trabalhando por meio de um intermediário para fazer justiça. Um antigo público da recitação do poema teria entendido que, por mais imerecidos que sentissem ser seu próprio sofrimento, os deuses os tratariam com justiça da mesma maneira. Como os seres humanos foram criados para serem colaboradores dos deuses, o deus que lhes desejava o bem iria, com o tempo, reparar seus erros e curar suas aflições.

No Livro de Jó, entretanto, a única divindade suprema lida com a situação de maneira diferente. O próprio Deus aparece em direção à conclusão, falando de um redemoinho, e pergunta: "Onde estavas tu quando eu lançava os fundamentos da terra? Declara, se tu tens entendimento. Quem pôs as medidas disso, se tu sabes? Ou quem o fez? esticou a linha sobre ele? " (Jó 38: 4-5) perguntando, em outras palavras, 'Quem é você para questionar meus caminhos?' Embora haja um 'final feliz' em O livro de Jó, em que esse sofredor justo é recompensado com novos filhos e uma nova vida, a questão de por que coisas ruins acontecem a pessoas boas nunca é respondida. O leitor do Livro de Jó entende que o sofrimento de Jó é o resultado direto de uma aposta que Deus fez com Satanás a respeito da fidelidade de Jó. Nenhum leitor ou ouvinte razoável obteria conforto com a idéia de que haviam perdido aqueles a quem amavam, bem como sua saúde e riqueza, apenas para que seu deus pudesse satisfazer seu ego ganhando uma aposta.

Em vez de dar a Jó uma resposta direta à questão de seu sofrimento, Deus exalta sua própria grandeza e silencia as queixas de Jó. Esta é uma diferença bastante significativa da resposta dos deuses sumérios ao Tabu-utul-Bel. No entanto, na resposta de Deus, está um dos maiores pontos fortes da obra: não há uma resposta satisfatória para a pergunta de por que pessoas boas sofrem e o escritor de Jó foi sábio o suficiente para reconhecer esse fato. A resposta da divindade no Livro de Jó está de acordo com a cultura que o produziu em que ninguém questionou os caminhos de Deus, mas, ao contrário, confiou que essa divindade toda poderosa, toda amorosa e toda benevolente tinha os melhores interesses no coração - mesmo que esses interesses sejam expressos por meio de algo aparentemente tão caprichoso quanto fazer uma aposta.

Remover publicidades

Advertisement

Embora essas duas composições sejam certamente ligadas por temas, ler a literatura mesopotâmica apenas pelo que ela contribui para a narrativa bíblica diminui a real importância das obras anteriores. Em vez de ler essas duas histórias na tentativa de encontrar correlações entre elas, talvez seja mais lucrativo lê-las pelo que têm a dizer sobre a condição humana. Como George A. Barton escreveu: "O abismo que freqüentemente se abre entre a experiência e os desertos morais foi sentido tão agudamente pelos babilônios quanto pelos hebreus" e é tão agudamente sentido por qualquer pessoa que vive no mundo hoje. O maior conforto que essas obras antigas oferecem ao leitor moderno é a compreensão de que o que se está sofrendo foi sofrido por outros e que, como eles, um pode prevalecer.

O Livro de Jó pode ser encontrado em qualquer tradução da Bíblia, geralmente localizada entre o Livro de Ester e o Livro dos Salmos. A seguinte tradução do Ludlul Bel Nimeqi vem de 'Um comentário sobre as inscrições cuneiformes da Babilônia e da Assíria', de Sir Henry Rawlinson, Volume IV, 60 (1850), impresso em 'Arqueologia e Bíblia' de George A. Barton.

O Ludlul-Bel-Nimeqi

1. Eu avancei em vida, alcancei o período concedido

Para onde quer que eu virasse, havia mal, mal —-

A opressão é aumentada, honestidade, não vejo.

Eu clamei a Deus, mas ele não mostrou o rosto.

Remover publicidades

Advertisement

5. Eu orei para minha deusa, mas ela não levantou a cabeça.

O vidente por seu oráculo não discerniu o futuro

Nem o feiticeiro com uma libação iluminou meu caso

Consultei o necromante, mas ele não abriu meu entendimento.

O mágico com seus encantos não removeu minha proibição.

10. Como as ações são revertidas no mundo!

Eu olho para trás, a opressão me envolve

Como aquele a quem o sacrifício a deus não trouxe

E na hora das refeições não invocou a deusa

Não abaixou seu rosto, sua oferta não foi vista;

15. (Como um) em cuja boca as orações e súplicas eram trancadas

(Para quem) o dia de deus havia cessado, um dia de festa tornou-se raro,

(Aquele que) jogou sua panela de fogo no chão, se afastou de suas imagens

O temor e a veneração de Deus não ensinaram seu povo

Quem não invocou seu deus quando comia a comida de deus;

20. (Quem) abandonou sua deusa, e não trouxe o que é prescrito

(Quem) oprime o fraco, esquece seu deus

Quem toma em vão o nome poderoso de seu deus, ele diz, eu sou como ele.

Mas eu mesmo pensei em orações e súplicas —-

A oração era minha sabedoria, sacrifício, minha dignidade;

25. O dia de honrar os deuses foi a alegria do meu coração

O dia de seguir a deusa foi minha aquisição de riqueza

A oração do rei, esse foi o meu deleite,

E sua música, para meu prazer era seu som.

Eu dei instruções para minha terra para que reverenciasse os nomes de deus,

30. Para honrar o nome da deusa que ensinei ao meu povo.

Reverência pelo rei que exaltei muito

E respeito pelo palácio que ensinei ao povo —-

Pois eu sabia que para Deus essas coisas são favoráveis.

O que é inocente por si mesmo, para Deus é mal!

35. O que em seu coração é desprezível, para seu deus é bom!

Quem pode entender os pensamentos dos deuses no céu?

O conselho de Deus está cheio de destruição; quem pode entender?

Onde os seres humanos podem aprender os caminhos de Deus?

Quem vive à tarde morre pela manhã;

40. Rapidamente ele fica perturbado; de repente ele é oprimido;

Em um momento ele canta e toca;

Num piscar de olhos, ele uiva como um enlutado fúnebre.

Como o sol e as nuvens, seus pensamentos mudam;

Eles estão com fome e como um cadáver;

45. Eles estão cheios e rivalizam com seu deus!

Na prosperidade, eles falam em subir ao céu

O problema os alcança e eles falam em descer ao Sheol.

[Neste ponto, a tábua está quebrada. A narrativa é resumida no verso da tábua.]

46. Minha casa foi transformada em minha prisão.

Nas cadeias da minha carne estão as minhas mãos lançadas;

Meus pés tem tropeçado em minhas próprias algemas.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

47. Com um chicote ele me bateu; não há proteção;

Com um cajado, ele me paralisou; o fedor era terrível!

O dia todo o perseguidor me persegue,

Nas vigílias noturnas ele não me deixa respirar em nenhum momento

Por meio da tortura, minhas juntas são dilaceradas;

48. Meus membros estão destruídos, o ódio me cobre;

No meu sofá eu me agito como um boi

Estou coberto, como uma ovelha, com meus excrementos.

Minha doença confundiu os mágicos

E a vidente deixou escuro meus presságios.

49. O adivinho não melhorou a condição da minha doença-

A duração da minha doença, o vidente não pôde afirmar;

O deus não me ajudou, minha mão ele não pegou;

A deusa não teve pena de mim, ela não veio ao meu lado

O caixão bocejou; eles [os herdeiros] tomaram minhas posses;

50. Enquanto eu ainda não estava morto, o lamento da morte estava pronto.

Minha terra inteira gritou: "Como ele está destruído!"

Meu inimigo ouviu; o rosto dele se alegrou

Eles trouxeram como boas novas as boas novas, seu coração se alegrou.

Mas eu conhecia o tempo de toda a minha familia

51. Quando no meio dos espíritos protetores, sua divindade é exaltada.

........................................

........................................

Deixe tua mão agarrar o dardo

Tabu-utul-Bel, que mora em Nippur,

52. Me enviou para te consultar

Colocou seu ............ sobre mim.

Na vida ........ lançou, ele encontrou. [Ele diz]:

“[Deitei-me] e vi um sonho;

Este é o sonho que tive à noite:

53 [Aquele que fez a mulher] e criou o homem

Marduk ordenou (?) Que ele seja envolvido pela doença (?). "

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... . . . . . . . . . . . . . .

54. E ........... em qualquer .............

Ele disse: "Por quanto tempo ele estará em tal grande aflição e angústia?

O que é que ele viu em sua visão da noite? "

"No sonho Ur-Bau apareceu

Um poderoso herói usando sua coroa

55. Um mágico também, revestido de força,

Marduk de fato me enviou;

Para Shubshi-meshri-Nergal ele trouxe abundância;

Em suas mãos puras ele trouxe abundância.

Pelo meu espírito-guardião (?) Ele parou (?), "

56. Pelo vidente, ele enviou uma mensagem:

"Um presságio favorável que mostro ao meu povo."

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

... ele terminou rapidamente; o ......... estava quebrado

........ de meu senhor, seu coração estava satisfeito;

57. ................. seu espírito foi apaziguado

...... minha lamentação ....................

................Bom ..........

58. ........................................

......................................

................gostar............ ......

Ele se aproximou (?) E o feitiço que ele pronunciou (?),

59. Ele enviou uma tempestade de vento ao horizonte;

Para o seio da terra deu uma explosão

Nas profundezas de seu oceano, o espírito desencarnado desapareceu (?);

Espíritos incontáveis ​​ele mandou de volta para o mundo subterrâneo.

O ........... dos demônios bruxos que ele mandou direto para a montanha.

60. A inundação do mar ele espalhou com gelo;

As raízes da doença ele arrancou como uma planta.

O sono horrível que tomou conta do meu descanso

Como se a fumaça enchesse o céu ..........

Com a desgraça que ele trouxe, sem repulsa e amarga, ele encheu a terra como uma tempestade.

61. A dor de cabeça incessante que dominou os céus

Ele tirou e enviou sobre mim o orvalho da noite.

Minhas pálpebras, que ele tinha velado com o véu da noite

Ele soprou com um vento forte e tornou clara a visão deles.

Meus ouvidos, que estavam tapados, estavam surdos como um surdo

62. Ele removeu suas surdezas e restaurou suas audições.

Meu nariz, cuja narina foi fechada desde o ventre de minha mãe —-

Ele diminuiu sua franqueza para que eu pudesse respirar.

Meus lábios, que estavam fechados, ele tirou sua força —-

Ele removeu seu tremor e soltou seu vínculo.

63. Minha boca que estava fechada para que eu não pudesse ser entendido —-

Ele o limpou como um prato, ele curou sua doença.

Meus olhos, que foram atacados de modo que rolaram juntos —-

Ele soltou o vínculo e suas bolas foram corrigidas.

A língua, que havia endurecido de modo que não podia ser levantada

64. Ele aliviou sua espessura, para que suas palavras pudessem ser entendidas.

A garganta que foi comprimida, parou como um tampão —-

Ele curou sua contração, funcionou como uma flauta.

Minha saliva foi estancada para não ser secretada —-

Ele removeu a algema e abriu a fechadura.

........................................

.......................................

Bibliografia

Remover publicidades

Publicidade

Sobre o autor

Joshua J. Mark
Escritor freelancer e ex-professor de Filosofia no Marist College, em Nova York. Joshua J. Mark viveu na Grécia e na Alemanha, viajou pelo Egito. Lecionou História, Redação, Literatura e Filosofia em várias universidades.

Cite este trabalho

Estilo APA

Mark, J. J. (2011, Março 06). O Ludlul-Bel-Nimeqi - Não é um mero [The Ludlul-Bel-Nimeqi - Not Merely a Babylonian Job]. (E. D. Wolf, Tradutora). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-226/o-ludlul-bel-nimeqi-----nao-e-um-mero/

Estilo Chicago

Mark, Joshua J.. "O Ludlul-Bel-Nimeqi - Não é um mero." Traduzido por Eugnostos D. Wolf. World History Encyclopedia. Última modificação Março 06, 2011. https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-226/o-ludlul-bel-nimeqi-----nao-e-um-mero/.

Estilo MLA

Mark, Joshua J.. "O Ludlul-Bel-Nimeqi - Não é um mero." Traduzido por Eugnostos D. Wolf. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 06 Mar 2011. Web. 27 Jan 2022.