A Colonização Portuguesa dos Açores

Artigo

Mark Cartwright
por , traduzido por Gilda Macedo
publicado em 25 Maio 2021
X
translations icon
Disponível em outras línguas: Inglês, Espanhol

Os Açores (Açores) são um grupo de ilhas do Atlântico Norte, que era desabitado antes de ser colonizado pelos portugueses a partir de 1439. Os Açores eram estrategicamente importantes para os marinheiros portugueses utilizarem como trampolim para progredir pela costa da África Ocidental e como ponto de reabastecimento para os navios que regressavam das Índias Orientais e os que se dirigiam para as Américas.

Os migrantes de Portugal foram encorajados a instalarem-se nas várias ilhas do grupo, de modo a que trigo, vinha e cana de açúcar fossem todos cultivados com sucesso e exportados para a Europa e África. Os Açores foram ciosamente vigiados por outras potências europeias do século XVI e foram frequentemente palco de batalhas marítimas e ataques terrestres, mesmo que os portugueses conseguissem sempre agarrar-se a eles. Medida que Portugal foi desenvolvendo a sua colónia no Brasil, muitos habitantes dos Açores deslocaram-se para a América do Sul, tendo frequentemente recebido incentivos financeiros para o fazer por parte da Coroa Portuguesa. Actualmente, os Açores são uma região autónoma de Portugal.

Remover publicidades

Advertisement

1584 Map of the Azores
Mapa de 1584 de Açores
Abraham Ortelius (Public Domain)

Geografia e Clima

Localizado a cerca de 1600 quilómetros (994 milhas) da costa de Portugal no Atlântico Norte, o arquipélago dos Açores é constituído por nove ilhas principais divididas em três grupos. O grupo oriental inclui Santa Maria, os ilhéus das Formigas, e São Miguel com a atual capital Ponta Delgada. O grupo do Norte tem Flores e Corvo, enquanto o grupo central tem Faial, Graciosa, São Jorge, Pico, e Terceira. As ilhas são os cumes das montanhas vulcânicas ainda ativas da cordilheira do meio do Atlântico, daí as suas margens frequentemente íngremes e interiores montanhosos. O Pico contém o pico mais alto a 2.351 metros (7.713 pés). Os Açores têm um clima subtropical com elevada humidade, o que os torna adequados para o cultivo de vários tipos de culturas.

O valor estratégico dos Açores era muito mais importante para Portugal do que a sua produção comercial.

O império português no Atlântico

Dois capitães de embarcações patrocinadas pelo Infante Dom Henrique (1394-1460) desembarcaram no arquipélago da Madeira em 1418 e viram as possibilidades de colonização. Desabitadas, as ilhas estavam florestadas, tinham muita água e beneficiavam de um clima ameno - condições ideais para a agricultura. Os colonos chegaram às ilhas a partir de 1420, plantando trigo com sucesso, depois cana-de-açúcar e videiras. A colonização portuguesa da Madeira foi apenas o início. A Coroa Portuguesa estava interessada em ganhar mais posses, especialmente porque Portugal era então um importador líquido de cereais. A volta dos Açores começou com a sua 'descoberta' pelos marinheiros portugueses em 1427 (embora o Corvo e as Flores só tenham sido avistados depois de 1450). A evidência de que os Açores tinham sido conhecidos pelos europeus antes de 1427 está limitada a algumas possíveis inclusões nos mapas. Os capitães do príncipe Henrique descobriram que estas ilhas eram desabitadas mas abundantes em florestas com abundância de água doce. Além disso, a superfície terrestre total do arquipélago era três vezes superior à do grupo Madeira.

Remover publicidades

Advertisement

Portuguese Colonial Empire in the Age of Exploration
O Império Colonial Português na Era da Exploração
Simeon Netchev (CC BY-NC-SA)

Divisão de Terrenos

A Coroa Portuguesa tinha dividido as ilhas da Madeira e dado 'capitanias' (donatarias) como parte do sistema de feudalismo para encorajar os nobres a financiar o desenvolvimento das ilhas. A Coroa ainda mantinha a propriedade global. Este modelo foi reproduzido nos Açores e noutros locais, como o Brasil português. Nos Açores, o processo de colonização começou em 1439, com a superlotação dividida entre o príncipe Henrique e o príncipe regente Pedro, embora após a morte deste último em 1449, Henrique tenha tomado posse de todo o arquipélago. Nem todas as ilhas foram colonizadas ao mesmo tempo mas, durante um período de cerca de 60 anos, todas acabariam por receber colonos, começando pelo grupo oriental, depois pelo grupo central, e finalmente pelo grupo do norte.

Prince Henry the Navigator
Príncipe Henrique o Navegante
Nuno Gonçalves (Public Domain)

A cada 'capitão' ou donatário foi dada a responsabilidade de colonizar e desenvolver a sua área em troca de privilégios financeiros e judiciais. O 'capitão' tinha a sua própria extensa propriedade dentro do território sob a sua jurisdição, e podia distribuir outras parcelas de terra (semarias) a homens, dada a responsabilidade de limpar e iniciar o cultivo dentro de um período determinado. Com o tempo, estas capitanias tornaram-se frequentemente gabinetes hereditários, e nem todas eram portuguesas. O capitão da Terceira, por exemplo, era flamengo, um tal Jacome de Bruges.

Remover publicidades

Advertisement

Os colonos tinham de limpar áreas fortemente arborizadas para as preparar para a agricultura, isto tinha de ser feito sem qualquer população indígena para ajudar.

Enquanto Portugal reinou livremente nos Açores no século XV, a Coroa discutiu com Espanha sobre a posse das Ilhas Canárias, mas o Tratado de Alcáçovas-Toledo de 1479-80 estabeleceu que estes últimos eram domínio da Espanha enquanto Portugal tomou os grupos de Cabo Verde, Açores e Madeira. Havia também algumas cláusulas vagas adicionais ao tratado que mais tarde causariam problemas, como o direito de Portugal a futuras descobertas em África e o de Espanha a ilhas para além das Canárias, interesses que acabaram por ser identificados como as Caraíbas e mesmo as Américas. A posse dos Açores ajudou certamente Portugal a expandir o seu império, uma vez que as ilhas se tornaram um trampolim muito útil para navegar pela costa da África Ocidental, abrindo esse lado do continente e, por fim, a exploração até ao Cabo da Boa Esperança e para além dele. Os Açores foram especialmente úteis na viagem de regresso, quando os navios foram obrigados a atacar contra os ventos dominantes do Norte, mas foram pelo menos ajudados pelos padrões de alta pressão em redor do arquipélago. Os Açores também se tornaram úteis para o reabastecimento de navios que regressavam das Índias Orientais e como escala para a corrida Europa-Américas.

Assentamento

Os colonos dos Açores vieram de Portugal - humildes agricultores cansados das vantagens dadas aos grandes proprietários de propriedades em Portugal e pescadores ansiosos por pilhar as oportunidades de pesca de alto mar da ilha. Os migrantes vinham de todo o país (mas particularmente de Lisboa e do Algarve) e da Madeira. Não só os portugueses eram atraídos, mas também espanhóis, italianos, franceses, alemães e flamengos colonos, muitos dos quais desejosos de se estabelecerem como comerciantes no arquipélago. Outros grupos incluíam judeus em busca de maior liberdade de culto e "indesejáveis" que tinham caído em desrespeito pela lei em Portugal. No entanto, a distância da Europa significou que os Açores receberam muito menos emigrantes do que a Madeira.

Faial Crater, Azores
Cratera Faial, Açores
Franzfoto (CC BY-SA)

Tal como na Madeira, os colonos tiveram de desbravar áreas fortemente arborizadas para as preparar para a agricultura, e isto teve de ser feito sem qualquer população indígena para ajudar. Tiveram também de lidar com terrenos montanhosos, embora São Miguel e Terceira sejam mais planos. Outras dificuldades incluíram os ventos mais ou menos constantes de oeste e a elevada humidade. As viagens entre ilhas também nem sempre foram fáceis, uma vez que o grupo, muito mais distante no Atlântico do que a Madeira, experimentou mares muito mais perigosos. Pelo menos muitos colonos podiam construir as suas casas utilizando blocos de basalto vulcânico e o solo vulcânico era um grande benefício. Os animais de criação europeus foram introduzidos nas ilhas a partir de 1430 para fornecer uma fonte fiável de carne, leite e queijo.

Remover publicidades

Advertisement

Tal como na Madeira, o trigo foi a primeira e mais importante cultura cultivada com rendimentos extraordinários possíveis, ano após ano, até ao início do século XVI, quando o uso excessivo do solo começou a ter o seu preço. As vinhas eram cultivadas, o algodão era cultivado, e os inhames eram importados e cultivados com sucesso. Morcego vermelho extraído da resina do dragoeiro (dracacea draco) ou do líquen orquídea, e morcego azul de woad (pastel) ou litmus roccella (urzela) eram outros produtos altamente lucrativos uma vez enviados para a Europa. A cana de açúcar foi plantada com sucesso parcial, uma vez que o clima não era tão benéfico para ela como na Madeira, por exemplo. Em todo o caso, a agricultura em geral saiu-se bem em todo o arquipélago, e no século XVI, o problema da mão-de-obra surgiu à medida que as explorações agrícolas se expandiam. Tal como com o grupo Madeira, os escravos eram importados da África Ocidental para trabalhar nas plantações de açúcar nos Açores e para serem utilizados como empregados domésticos. A partir da segunda metade do século XVII, o chá, o milho e a batata-doce foram todos cultivados com sucesso.

O comércio florescia tanto com a Europa como com as outras ilhas atlânticas portuguesas (Madeira e Cabo Verde). Consequentemente, desenvolveu-se uma classe comercial de elite, particularmente no Faial, São Miguel, e Terceira. Infelizmente, esta elite estava frequentemente mais interessada no lucro ganho com as exportações do que no bem-estar dos ilhéus com a consequência infeliz de que havia frequentes carências alimentares para muitos açorianos enquanto os navios navegavam com os porões cheios de alimentos.

Mount Pico, Azores
Monte Pico, Açores
antlewis (CC BY)

Embora os Açores tivessem muitos aspectos positivos, havia uma ameaça significativa da natureza. Houve uma grande erupção vulcânica em São Miguel em 1521, que enterrou a então capital, Vila Franca do Campo. Em 1720, o Pico foi devastado por uma erupção. A atividade vulcânica continuou em várias ilhas ao longo dos séculos, e os terramotos continuam a ser sentidos regularmente hoje em dia.

Remover publicidades

Advertisement

O afastamento dos Açores era útil para as autoridades lidarem com párias políticas. Por exemplo, Pedro II de Portugal (r. 1683-1706) tomou o trono e exilou o seu predecessor Afonso VI de Portugal (r. 1656-1683) nas ilhas durante vários anos. Este afastamento não agradou a todos, e muitos colonos, especialmente à medida que as populações cresceram nas ilhas no século XVII, decidiram emigrar para uma nova vida no Brasil, onde as maiores e mais modernas plantações de açúcar tinham cortado o domínio anteriormente desfrutado pela Madeira e pelos Açores. De facto, a Coroa Portuguesa, ansiosa por desenvolver o enorme potencial agrícola do Brasil, patrocinou a migração, especialmente se os casais incluíssem mulheres em idade de procriar. Quase 6.000 migrantes dos Açores fixaram residência apenas em Santa Catarina. O Rio Grande do Sul foi outro destino popular. Os incentivos incluíam terra, ferramentas, animais de tração, sementes e ajuda financeira nos primeiros dois anos de reassentamento.

Ataques por Potências Rivais

O valor estratégico dos Açores era muito mais importante para Portugal do que a sua produção comercial. Angra na Terceira tornou-se um grande porto que acolhia e abastecia navios de todo o mundo. O valor estratégico do arquipélago não passou despercebido por outras potências marítimas europeias no século XVI. Para defender os seus interesses, os portugueses estabeleceram uma base naval em Angra e construíram a fortaleza de São Braz, na ilha de São Miguel, em 1553. No século XVII, a fortaleza de São João foi construída na Terceira. Estas fortalezas foram em resposta aos repetidos ataques dos navios holandeses, ingleses e franceses a partir dos anos 1530 e de piratas e corsários.

Madre de Deus Model
Modelo Madre de Deus
Marco2000 (CC BY)

Em 1582-3 navios de Antonio, rival de Filipe II de Espanha, rei de Espanha e Portugal (r. 1556-98 e 1580-98 respectivamente) tentaram atacar os Açores sem sucesso. Estes foram tempos perigosos, pois as potências europeias lutaram agora pelo controlo do alto mar e das riquezas exploradas da América, Ásia e África. Em 1592, o grande navio do tesouro Madre de Deus foi atacado e capturado perto das Flores. Pensado por Sir Walter Raleigh (c. 1552-1618), foi a maior captura de sempre pelos corsários de Elizabeth I de Inglaterra (r. 1558-1603). Navegando a partir das Índias Orientais e na esperança de parar para reabastecimento nos Açores, o navio tinha 500 toneladas de carga preciosa, que incluía gemas, ouro, prata, rolos de seda, marfim, ébano, porcelana Ming, pimenta, especiarias e perfumes.

Os corsários ingleses nem sempre tiveram tanto sucesso, como em 1591, quando uma frota espanhola os atacou nos Açores e capturou a Vingança capitaneada por Sir Richard Grenville (1542-1591). Raleigh organizou outra rusga aos Açores em 1597, desta vez atacando directamente a Horta no Faial e causando mais caos com a navegação portuguesa na área. Como resultado deste ataque, a fortaleza de São Felipe (rebaptizada São João Baptista) foi construída para proteger Angra. Apesar destas ameaças, os Açores permaneceram em posse de portugueses, embora a Ribeira Grande em São Miguel tenha sido saqueada por uma força francesa liderada por Jacques Cassart em 1712.

História Posterior

Em 1766, o sistema de capitanias foi abolido nas ilhas e um único governador nomeado com Angra fez a capital. Os vinhos das ilhas ganharam constantemente reputação, especialmente aqueles produzidos no Pico, cujas vinhas são reconhecidas pela UNESCO. Brandy, linho e laranjas foram outras exportações muito bem sucedidas a partir do século XVIII. Durante a Segunda Guerra Mundial (1939-45), a contínua importância estratégica das ilhas significou que várias foram utilizadas como bases aéreas Aliadas. Hoje, os Açores são um destino turístico popular pela paisagem dramática das crateras vulcânicas e como um excelente local para ver baleias.

Remover publicidades

Publicidade

Sobre o tradutor

Gilda Macedo
Free lance writer and translator. I respect the knowledge and the ways that each region and country has to narrate its history. History has the characteristic of be a discipline that connects all areas of knowledge in a interrelate way.

Sobre o autor

Mark Cartwright
Mark é um historiador que vive na Itália. Seus interesses incluem cerâmica, arquitetura, mitologia e a descoberta das ideias que todas as civilizações partilham entre si. Tem Mestrado em Filosofia Política e é o Diretor de Publicação na Enciclopédia da História Mundial.

Citar este trabalho

Estilo APA

Cartwright, M. (2021, Maio 25). A Colonização Portuguesa dos Açores [The Portuguese Colonization of the Azores]. (G. Macedo, Tradutora). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-1758/a-colonizacao-portuguesa-dos-acores/

Estilo Chicago

Cartwright, Mark. "A Colonização Portuguesa dos Açores." Traduzido por Gilda Macedo. World History Encyclopedia. Última modificação Maio 25, 2021. https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-1758/a-colonizacao-portuguesa-dos-acores/.

Estilo MLA

Cartwright, Mark. "A Colonização Portuguesa dos Açores." Traduzido por Gilda Macedo. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 25 Mai 2021. Web. 01 Out 2022.