Kublai Khan

Fundraiser tradução

Nossa visão: educação de história gratuita para todos no mundo, em todos os idiomas. Esse é um objetivo elevado de fato, mas isso não nos impedirá de trabalhar para isso. Para chegar lá, precisamos traduzir... muito! Faça uma doação hoje e ajude-nos a causar um impacto verdadeiramente global. Muito obrigado!
$1109 / $3000

Definição

Mark Cartwright
por , traduzido por Rafael de Quadros
publicado em 07 Outubro 2019
X

Texto original em inglês: Kublai Khan

Kublai Khan Statue (by A. Omer Karamollaoglu, CC BY)
Estátua de Kublai Khan
A. Omer Karamollaoglu (CC BY)

Kublai Khan (Qubilai-Qan) foi o governante do Império Mongol de 1260 a 1294 EC. As realizações de Kublai Khan incluem assumir o controle da China e estabelecer o domínio mongol sob o novo nome de Dinastia Yuan (1271-1368 EC), tornando-se assim o primeiro não chinês a governar todo aquele país. Ele criou a nova capital de Xanadu (Shangdu), estabeleceu Daidu (Pequim) como sua sucessora e expandiu o império ao seu maior tamanho, de modo que se estendesse do Mar Cáspio à península coreana. Houve contratempos ao longo do caminho, incluindo uma série de campanhas com resultados mistos no Sudeste Asiático e duas invasões fracassadas do Japão em 1274 e 1281 EC. Kublai, o último dos grandes governantes mongóis, morreu de uma doença exacerbada por seus repetidos excessos de comida e álcool; sua tumba nunca foi encontrada.

Vida Pregressa

Kublai nasceu em 1215 EC, o segundo filho de Tolui (c. 1190 - c. 1232 EC) e, portanto, neto de Genghis Khan (r. 1206-1227 EC), fundador do Império Mongol (1206-1368 EC). Enquanto Mongke, irmão mais velho de Kublai (r. 1251-1259 EC), governava o Império Mongol, Kublai recebeu o cargo de vice-rei (ilkhan) do norte da China controlado pelos mongóis. Kublai não teve pressa e aproveitou a oportunidade para criar uma rede de apoio e uma equipe de conselheiros talentosos, principalmente Liu Bingzhong (1216-1274 EC). A partir de 1253 EC, Kublai também fez campanha pessoalmente ao lado de Mongke em seus ataques ao sul da China, ainda controlado pela Dinastia Song (960-1279 EC). As forças mongóis moveram-se pelo Tibete e entraram em Yunnan, subjugando o Reino de Dali em 1257 EC. Dali, os mongóis podiam atacar o lado fraco da China Song e, portanto, um ataque em quatro frentes foi planejado para invadir do sul e do oeste. No entanto, mal sob o peso, a campanha foi interrompida após a morte inesperada de Mongke por doença em 11 de agosto de 1259 EC.

Remover publicidades

Advertisement

Guerra Civil e Sucessão

KUBLAI KHAN CONQUISTOU A dinastia song & UNIFIcou a CHINA PELA PRIMEIRA VEZ EM QUATRO SÉCULOS.

Quando Mongke morreu em 1259 EC, as campanhas contra os Song foram abandonadas, pois rapidamente se desenvolveu uma disputa entre os comandantes mongóis sobre quem poderia ser seu sucessor. No final das contas, uma guerra civil estourou entre os dois candidatos principais: Kublai e seu irmão mais novo, Ariq Boke (1219-1266 EC), ambos os quais se declararam o novo cã. A situação de dois khans não seria resolvida até 1264 EC, mesmo se em 1260 EC uma reunião dos chefes tribais mongóis, um kurultai, proclamou oficialmente Kublai o Grande Khan ('governante universal') do Império Mongol.

Ariq Boke era popular por causa de seu conservadorismo (enquanto Kublai era visto como um pensamento chinês demais atualmente), e ele tinha a vantagem de controlar a parte central do império e sua capital, Karakorum. No entanto, Kublai acabaria vencendo graças ao apoio dos príncipes da Ásia Central, ao controle da guarda-costas imperial mongol e aos recursos amplamente superiores à sua disposição como vice-rei da China. Ser o Grande Khan permaneceu um título de prestígio, mas, na realidade, o império já havia se dividido em vários canatos, cada um governado por descendentes de Genghis Khan. Kublai poderia agora governar a maior e mais rica porção do que fora o Império Mongol, mas o que ele realmente queria era uma posição muito mais antiga e ainda mais prestigiosa: o imperador chinês, a ambição de muitos nômades das estepes durante séculos.

Remover publicidades

Advertisement

Portrait of Kublai Khan
Retrato de Kublai Khan
British Museum (Copyright)

Dinastia Song China

Em 1268 EC, Kublai fixou seriamente seus olhos nas terras ao sul do rio Yangtze e no grande prêmio Song China. A campanha seria longa e árdua, com os Song capazes de colocar em campo um exército de mais de 1.000.000 de homens e ambos os lados equipados com as mais recentes armas de pólvora, catapultas e máquinas de cerco. Haveria também batalhas navais envolvendo os maiores navios já vistos na história da guerra. O sucesso da guerra mongol em toda a Ásia foi baseado na cavalaria veloz, mas os Song contra-atacaram adotando deliberadamente uma estratégia de guerra mais estática e construindo grandes fortificações nas principais cidades e travessias de rios. Por esse motivo, Kublai levaria onze longos anos para acertar seus alvos um por um e, finalmente, levar o Song até sua submissão.

O ataque à cidade fortificada estrategicamente importante de Xiangyang foi típico da campanha. Sitiado por cinco anos, caiu em 1273 EC graças à persistência e catapultas superiores (feitas a partir de designs encontrados no Afeganistão). Então, no início de 1275 EC, o Khan convocou outro kurultai, desta vez para decidir como proceder no último estágio de sua campanha contra os Song. Os mongóis cruzaram o Yangtze em março de 1275 EC e se mostraram imparáveis, vencendo uma enorme batalha terrestre e marítima. Com muitos generais Song desertando ou rendendo seus exércitos, uma corte cercada por lutas internas entre os conselheiros do jovem imperador e a matança implacável de toda a cidade de Changzhou, o fim da Dinastia Song estava próximo. A imperatriz viúva e seu jovem filho, o imperador Gongzong (r. 1274-5 EC) se renderam junto com sua capital Lin'an em 28 de março de 1276 EC. A realeza Song foi feita prisioneira em Pequim.

Remover publicidades

Advertisement

Grupos de legalistas lutaram por mais três anos, instalando mais dois jovens imperadores no processo (Duanzong e Dibing), mas os mongóis varreram tudo antes deles. Os Song eram ricos o suficiente, mas pagavam caro por sua falta de unidade política, a ausência de investimento militar que havia sido uma característica da guerra chinesa anterior, a ausência de cavalaria móvel e, em geral, pouca inovação em armas. Finalmente, em 19 de março de 1279 dC, uma grande batalha naval foi vencida em Yaishan, perto da atual Macau; a conquista mongol da China estava completa. Foi a primeira vez que esse país foi unificado desde o século 9 EC.

Mongol Empire Under Kublai Khan
Império Mongol sob Kublai Khan
Arienne King (CC BY-NC-SA)

Xanadu & Daidu

Em 1263 EC, a capital mongol foi transferida de Karakorum, na Mongólia, para Xanadu (Shangdu), com uma localização mais vantajosa, no nordeste da China. Karakorum tinha associações desagradáveis ​​com Kublai porque Ariq Boke o havia usado como base antes de Kublai capturá-lo em 1262 EC. Xanadu, projetado por Liu Bingzhong, recebeu paredes e torres de circuito de terra, criando a planta quadrada chinesa clássica para toda a cidade. Dentro havia um magnífico complexo de palácio completo com jardins de caça. A cidade inteira cobria 25.000 hectares e ostentava uma população de cerca de 200.000 pessoas em seu pico.

Em 1273 EC, Xanadu foi relegada a ser apenas a capital de verão do Império Mongol, e Daidu (também conhecida como Khanbaliq e agora Pequim) foi selecionada como a capital principal. Daidu, cuja construção havia começado em 1266-7 EC, tornou-se um símbolo poderoso da conquista mongol da China. Kublai dividiu seu tempo entre essas duas cidades e continuou a desfrutar dos passatempos mongóis tradicionais, como caçar e beber leite de égua fermentado.

Remover publicidades

Advertisement

Dinastia Yuan China

Tornando-se imperador da China, Kublai deu a si mesmo o nome de reinado de Shizu e, em 1271 EC, sua nova dinastia o nome de 'Yuan', que significa 'origem' ou 'centro, eixo principal'. O cã, agora imperador, abraçou a cultura chinesa, ao contrário de seus predecessores mongóis - vestindo as vestes tradicionais de um imperador e andando em uma liteira em vez de um cavalo, por exemplo. Tudo isso fazia parte de sua campanha para aparecer aos chineses como seu governante legítimo. O imperador se cercou de ministros chineses e conselheiros confucionistas, mesmo que, nos bastidores, todas as posições-chave do Estado fossem dadas a não chineses, especialmente membros da guarda-costas imperial mongol e, na área de finanças, muçulmanos considerados os especialistas nessa área.

Os principais cargos administrativos nas 12 províncias semi-autônomas recém-criadas em que a China e a Coréia do Norte (anexada em 1270 EC) estavam agora divididas também foram para os mongóis. Os seis ministérios tradicionais chineses, em vigor desde a Dinastia Tang (618-907 EC), continuaram como antes, mas Kublai aboliu os exames para o serviço público que teriam favorecido os funcionários chineses com sua educação confucionista. Finalmente, não havia protocolo da corte imperial chinesa na capital mongol de Karakorum. Claramente, a rotina de parecer-um-imperador chinês era para o benefício apenas dos chineses.

Kublai garantiu que os mongóis sempre ganhassem vantagem na China, classificando-os oficialmente como superiores em classificação aos chineses. Havia outras medidas de segregação também, como proibir os chineses de usar nomes mongóis, usar roupas mongóis ou aprender a língua mongol. O casamento misto foi desencorajado e diferentes punições foram aplicadas para o mesmo crime, dependendo da raça do culpado. Em vez de ser uma política de motivação exclusivamente racial, porém, Kublai estava mais preocupado em controlar seus súditos, tornando mais fácil identificar quem era quem e garantindo que não houvesse rebeliões; Os chineses foram proibidos de portar armas e se reunir em público, por exemplo.

Remover publicidades

Advertisement

O imperador fez algumas tentativas sérias de reunir os muitos povos de seu império, incentivando o uso de diferentes línguas em sua administração, tolerando diferentes religiões e até mesmo garantindo que diferentes pratos fossem servidos na corte imperial. O próprio Kublai se converteu ao budismo tibetano, um movimento provavelmente influenciado por sua esposa e conselheira mais importante, Chabi (também conhecida como Cabui-qatun, falecido em 1281 EC) e pelo monge tibetano Phags-pa Lama (1235-1280 EC). Este último foi encarregado de criar uma nova língua oficial (baseada no tibetano e no sânscrito) que Kublai esperava que pudesse ser mais um elo entre as muitas nacionalidades sob seu governo, mas a ideia nunca pegou fora do tribunal.

Outra política definitiva era promover o comércio internacional. Os artesãos foram um grupo que se beneficiou com a aquisição da Mongólia, pois anteriormente tinham um status social inferior. Os mongóis, sendo nômades, talvez, ficavam incomumente impressionados com porcelanas e obras de arte finas, por isso Kublai concedeu isenção de impostos aos artesãos. Os comerciantes, não sendo produtores, mas "trocadores", haviam sido discriminados de forma semelhante, e agora também se beneficiavam de medidas fiscais mais favoráveis ​​e do fim das regulamentações suntuárias. Os comerciantes foram encorajados a usar papel-moeda, as trocas de moeda foram melhor regulamentadas e mais estradas e canais ajudaram no transporte de mercadorias. O efeito dessas políticas foi a criação de um boom no comércio, especialmente de porcelana fina. Kublai fez o mesmo com outras profissões cujas contribuições práticas para a sociedade o impressionaram, como médicos e astrônomos.

Marco Polo Statue
Estátua de Marco Polo
Krzysztof Golik (CC BY-SA)

Marco Polo

O viajante veneziano Marco Polo (1254-1324 EC) partiu em 1271 EC e cruzou a Ásia para chegar à China durante o reinado de Kublai Khan. Entre c. 1275 e 1292 EC Marco até serviu ao cã, aparentemente na qualidade de embaixador / repórter itinerante nas partes mais remotas do Império Mongol. Em seu retorno à Europa, Marco escreveu sobre suas experiências em seu livro The Travels of Marco Polo, publicado pela primeira vez em c. 1298 EC. Suas descrições estão entre nossas melhores fontes para a Dinastia Yuan e o imperador, em particular. Ele tinha o seguinte a dizer sobre a aparência física de Kublai:

Kublai, que é denominado grão-cã, ou senhor, é de estatura média, ou seja, nem alto nem baixo; seus membros são bem formados e em toda a sua figura há uma proporção justa. Sua tez é clara e ocasionalmente tingida de vermelho, como o tom brilhante da rosa, o que adiciona muita graça ao seu semblante. Seus olhos são pretos e bonitos, seu nariz é bem formado e proeminente. (112)

As invasões do Japão

Retrocedendo até 1268 EC, não se sabe exatamente por que Kublai queria incluir o Japão em seu império enquanto ainda lutava contra os Song. Ele pode estar interessado em seus recursos (especialmente ouro), o prestígio pode ter sido um fator, já que a conquista era um método tradicional para os líderes mongóis consolidarem sua posição de poder, ou ele pode ter desejado interromper o comércio entre o Japão e a China Song , enfraquecendo assim o seu adversário número um. Conquistar o Japão lhe daria acesso a um exército que incluía samurais bem treinados ou a invasão pode até ter sido algum tipo de vingança pela destruição que os wako (piratas japoneses) estavam causando nas costas do Leste Asiático e navios mercantes.

Quaisquer que fossem os motivos de Kublai, a abordagem era clara: diplomacia primeiro, guerra depois. A partir de 1268 EC, Kublai enviou embaixadores, mas suas exigências de tributo foram totalmente ignoradas, exceto que as tropas japonesas foram colocadas em alerta em áreas onde qualquer invasão parecia provável. Isso foi bom, já que Kublai perdeu a paciência e reuniu uma frota de cerca de 800-900 navios e despachou-os da Coreia em novembro de 1274 EC. Os navios carregavam um exército de cerca de 16.600 a 40.000 mongóis, chineses e coreanos. Os ataques mongóis encontraram forte resistência nas ilhas externas, mas a frota invasora seguiu para a baía de Hakata, pousando em 19 de novembro.

The Mongol Scroll, 1293 CE
O Pergaminho Mongol, 1293 dC
Mōko Shūrai Ekotoba (Public Domain)

Eles podem ter estado preparados, mas a força de defesa japonesa total ainda era insignificante de 4.000 a 6.000 homens. Os mongóis venceram os primeiros combates graças a seus números superiores, armas e movimentos de tropas coordenados em massa aos quais os japoneses não estavam acostumados, pois preferiam permitir que guerreiros individuais escolhessem seu próprio alvo em sua versão da guerra medieval. Curiosamente, porém, os invasores não penetraram mais fundo no território japonês. Talvez isso se deva a problemas de abastecimento ou à morte do general mongol Liu Fuxiang. Também pode ser verdade que toda a 'invasão' foi na verdade apenas uma missão de reconhecimento. Qualquer que seja o motivo, os invasores permaneceram em seus navios durante a noite, retirando-se para a baía em segurança em 20 de novembro. Esta foi uma decisão fatídica porque, em alguns relatos, uma terrível tempestade se abateu sobre ela, matando até um terço do exército mongol e danificando gravemente a frota. Os agressores foram, portanto, obrigados a se retirar para a Coréia.

Kublai Khan voltou à diplomacia e enviou mais duas embaixadas ao Japão em 1275 EC, exigindo, mais uma vez, o pagamento de tributo. Desta vez, os japoneses foram ainda mais desdenhosos e decapitaram os embaixadores. Os japoneses usaram esse interlúdio para construir mais fortificações e se preparar para a inevitável segunda invasão.

A frota de invasão de Kublai Khan em junho de 1281 EC era muito maior do que a primeira. Desta vez, graças à recente derrota dos Song e à aquisição de sua marinha, havia 4.400 navios e cerca de 100.000 homens, novamente uma mistura de guerreiros mongóis, chineses e coreanos. Novamente, Hakata viu o impacto da luta, mas as novas fortificações resistiram ao teste. Depois de pesadas perdas, os mongóis se retiraram para a Ilha Iki apenas para serem assediados por navios japoneses que faziam incursões constantes usando pequenos barcos. Kublai foi, porém, capaz de enviar reforços da China, talvez outros 40.000 homens. As frotas combinadas então se moveram para o leste e atacaram Takashima, uma batalha ocorrendo em 12 de agosto.

Mongol Invasion of Japan, 1281 CE
Invasão Mongol do Japão, 1281 DC
Unknown Artist (Public Domain)

A luta feroz durou várias semanas e os invasores provavelmente enfrentaram escassez de suprimentos. Então, mais uma vez, o clima interveio e causou estragos. Em 14 de agosto, um tufão destruiu a maior parte da frota mongol, destruindo navios que haviam sido amarrados com correntes para a segurança contra ataques japoneses e esmagando os navios incontroláveis (e não particularmente bem construídos) contra a costa. De metade a dois terços da força mongol foi morta e milhares mais foram levados pela água ou deixados presos nas praias da Baía de Imari, onde a maioria foi executada. Os navios que sobreviveram navegaram de volta para a China. Os ventos de tempestade que afundaram ou sopraram os navios mongóis com segurança para longe da costa japonesa receberam o nome de kamikaze ou "ventos divinos", pois foram vistos como uma resposta ao apelo japonês a Hachiman, o deus xintoísta da guerra, para enviar ajuda para proteger o país contra um inimigo numericamente superior.

Morte e Legado

Como o Japão, o sudeste da Ásia foi atacado em várias campanhas terrestres e navais, mas também se revelaram um prêmio evasivo com as invasões do Vietnã (1257, 1281 e 1286 EC), Birmânia (1277 e 1287 EC) e Java (1292 EC), atingindo apenas um nível limitado sucesso onde os exércitos mongóis enfrentaram experiências desconhecidas como selvas úmidas, doenças parasitárias e elefantes de guerra. Kublai nunca desistiu do Japão e continuou a enviar missões diplomáticas malsucedidas para persuadir o país a aderir ao sistema de tributos chinês.

O reinado posterior de Kublai foi, então, um pouco decepcionante, mas ele conseguiu promover uma situação relativamente pacífica em toda a Ásia, a chamada Pax Mongolica. Houve estranhos rumores de descontentamento, especialmente quando os impostos foram aumentados para financiar as caríssimas façanhas estrangeiras de Kublai. Houve uma grande rebelião no Tibete no início de 1290 EC, e os outros descendentes de Genghis Khan, especialmente os Ogedeids, continuaram a mordiscar as fronteiras ocidentais da China. A saúde do imperador também estava piorando e, muito acima do peso, Kublai sofria de gota crônica e reumatismo.

Kublai morreu de causas naturais em 1294 EC aos 79 ou 80 anos - uma idade extremamente avançada para governantes mongóis de vida difícil. O corpo foi levado para um local secreto, provavelmente na Mongólia, como era a tradição, e enterrado, provavelmente em uma tumba extravagante, mas nunca foi encontrado. Kublai foi sucedido por seu neto Temur como Khan e imperador da China (r. 1295-1308 EC) após sua primeira escolha, seu filho Zhenjin (1243-1285 EC), morreu prematuramente. A dinastia Yuan, fundada por Kublai, gozava de cerca de 30 anos de estabilidade, mas depois foi assolada por disputas dinásticas e nunca mais atingiu o auge do reinado de Kublai. O Yuan governaria a China até a chegada da Dinastia Ming em 1368 EC.

Graças a Marco Polo e outros, o poder e a riqueza da corte e império de Kublai mantiveram um controle duradouro sobre a imaginação do mundo e fizeram de sua capital de verão, Xanadu, um sinônimo de opulência e vida agradável. Genghis Khan pode ter conquistado os elogios da posteridade como o maior e mais temível líder militar mongol, mas Kublai ganhou a reputação duradoura como o homem que colheu as recompensas da supremacia mongol na Idade Média e se tornou, aos olhos do Ocidente, para sempre o potentado oriental por excelência .

Remover publicidades

Publicidade

Sobre o tradutor

Rafael de Quadros
Rafael is a Historian, Writer, Speaker, Columnist, Editor and Reviewer of Revista História Medieval, he also manages two portals of History in Brazil.

Sobre o autor

Mark Cartwright
Mark é um historiador que vive na Itália. Seus interesses incluem cerâmica, arquitetura, mitologia e a descoberta das ideias que todas as civilizações partilham entre si. Tem Mestrado em Filosofia Política e é o Diretor de Publicação na Enciclopédia da História Mundial.

Cite este trabalho

Estilo APA

Cartwright, M. (2019, Outubro 07). Kublai Khan [Kublai Khan]. (R. d. Quadros, Tradutor). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-17878/kublai-khan/

Estilo Chicago

Cartwright, Mark. "Kublai Khan." Traduzido por Rafael de Quadros. World History Encyclopedia. Última modificação Outubro 07, 2019. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-17878/kublai-khan/.

Estilo MLA

Cartwright, Mark. "Kublai Khan." Traduzido por Rafael de Quadros. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 07 Out 2019. Web. 01 Dez 2021.