Hefesto

Definição

Mark Cartwright
por , traduzido por Joana Ribeiro
publicado em 03 Setembro 2019
X
translations icon
Disponível em outras línguas: Inglês, Francês, Turco
Hephaistos / Vulcan (by Jastrow (2006), Public Domain)
Hephaistos//Vulcano
Jastrow (2006) (Public Domain)

Antigo deus Grego do fogo, metalúgia e artesanato, Hesfesto era o incrivel ferreiro dos deuses Olimpianos, para quem construia casas magníficas, armaduras e aparelhos engenhosos. Hefesto tinha a sua oficina sob vulcões - sendo o Monte Etna na Sicilia o seu favorito - e era, com o seu coxear, único por não ser perfeito como os outros deuses. Para os Romanos, era conhecido como Vulcano.

Origens & Família

As origens de Hefesto são sombrias mas ele provavelmente deriva da ideia comum de que os reis deveriam ser mestres em certos ofícios, especialmente trabalho metalúrgico e, talvez também em magia (o que incluiria a manipulação do fogo). Nos Clássicos Gregos, o deus é filho de Hera e, não tendo pai, Hefesto era diferente dos outros deuses, era menos que uma bela figura. Tanto que, na mitologia Grega é dito que ele foi atirado dos céus pela mãe (ou noutros relatos por Zeus) por causa da sua fealdade e ao aterrar na ilha de Lemnos, o deus ficou aleijado. Sob os cuidados de Tétis (e possivelmente Eurínome, a filha de Oceano), ele construíu a sua oficina no vulcão da ilha, onde viveu numa imperecível casa de bronze brilhante, onde criou as suas obras-primas metalúrgicas.

Remover publicidades

Advertisement

SENDO UM ARTESÃO ENGENHOSO, HEFESTO LEVA O CRÉDITO PELA CRIAÇÃO DO CEPTRO & AEGIS DE ZEUS, O CAPACETE DE HERMES & ATé DA ENCANTADORA PRIMEIRA MULHER, PANDORA.

Os problemas físicos do deus, podem ter sido uma reflexão sobre a realidade das duras condições de trabalho de um artesão onde martelar e inalar fumos tóxicos repetidamente causam problemas na mente e no corpo. O famoso especialista em mitos regos, Robert Graves, tem outra teoria e salienta que em muitas tribos da África Ocidental e da Escandinávia, o ferreiro da aldeia, uma pessoa particularmente importante e reverenciada na comunidade, era frequentemente coxo para que ele não oferecesse os seus serviços a uma aldeia rival.

Voltando à mitologia, Hefesto casou com a deusa Afrodite. A improvável união ocorreu como consequência depois de Hefesto ter capturado a mãe Hera com as correntes invisíveis do trono que ele havia construído, e o casamento foi o preço da liberdade. Esta cena é uma popular na arte Grega e geralmente mostra Dioniso levando Hefesto, sob a influência do vinho, de volta ao Olimpo para libertar Hera. Contudo, o casamento não era para durar uma vez que Afrodite tinha numerosos romances, o mais notável com o deus Ares, embora os dois tenham sido apanhados em flagrante. A história é contada com detalhes pelo bardo Demodocus no Livro 8 da Odisseia de Homero. Hefesto, informado por Hélio, espiou os amantes e decidiu capturá-los na próxima vez que dessem uso indevido à sua cama ao conceber uma engenhosa e invisível rede de correntes em volta da cama. O amoroso casal, definitivamente, ficou enrolado na armadilha dourada, e Hefesto então chamou todos os deuses Olimpianos para assistirem ao espetáculo. Risos foram ouvidos pelo Olimpo e, quando finalmente soltos, Ares fugiu para a Trácia e Afrodite para Paphos, no Chipre.

Remover publicidades

Advertisement

Hephaistos Riding a Mule
Hephaistos montando uma mula
Zde (CC BY-SA)

A descendência mais notável de Hefesto na mitologia Grega foi Erictónio, o primeiro rei de Atenas, e Perifetes, que vivia perto de Epidauro e matava os estranhos que ali passavam com uma clava de ferro. Na mitologia Ática, Hefesto tentou violar Atena mas a deusa rejeitou-o. O sémen que havia respingado na perna dela foi limpo, caiu na terra e concebeu os Atenienses. Hefesto também emprestou o seu nome a uma das tribos tradicionais de Ática. Finalmente, para ajudar o deus na sua forja, Hefesto tinha uma equipa de ciclopes.

Habilidades & Associações

Sendo um artesão engenhoso, Hefesto leva o crédito pela criação do ceptro e aegis de Zeus, o capacete de Hermes, as portas secretas para os aposentos de Hera, e até da encantadora primeira mulher, Pandora, que ele esculpiu a partir do barro. Ele também construiu autómatos – empregadas de ouro que podiam falar e eram inteligentes – para ele mesmo, o Talos de bronze como prenda para o Rei Minos de Creta, e cães de guarda para Alcinous, rei de Feácia. O deus até agiu como parteira no nascimento de Atena, ao abrir a cabeça de Zeus com o seu machado para que a deusa pudesse nascer.

Remover publicidades

Advertisement

Tanto Homero como Hesíodo descrebem Hefesto como “o deus aleijado” e “o coxo”. Apoiando os Aqueus durante a Guerra de Tróia, ele luta e derrota de forma memorável o deus rio Xanthos com fogo e produz uma incrível armadura e um escudo de bronze, ouro, prata e estanho para Aquiles, este último decorado com inúmeras cenas e descrito por Homero em grande detalhe.

Temple of Hephaistos & Athena, Athens
Templo de Hefaistos e Atena, Atenas
Mark Cartwright (CC BY-NC-SA)

Adoração & Lugares Sagrados

Hefesto era particularmente adorado em Atenas e Lemnos no nordeste do mar Egeu. Atenas tinha um templo conjunto dedicado ao deus e a Atena (também padroeira do artesanato e derivados); ainda em pé na agora escavada antiga Ágora, é um dos templos mais bem conservados do mundo Grego. O templo Dórico construído em 449 AEC e às vezes conhecido como Hephaisteion ou Thesium, tem 13 colunas nos lados e 6 nas fachadas. Originalmente o templo continha enormes estátuas de Atena e Hefesto. De acordo com Sophocles, os ferreiros marchariam pela cidade com as suas ferramentas durante a Chalkeia, o festival anual em honra dos dois deuses. O ainda mais espetacular festival Hephaestia acontecia em Atenas apenas a cada cinco anos e envolvia um desfile com tochas sacrifícios extravagantes em honra de Atena e Hefesto.

NA ARTE GREGA, O DEUS GERALMENTE SEGURA PINÇAS, UM MACHADO, MARTELO, SERRA OU O CINZEL E É FREQUENTEMENTE VISTO A MONTAR UMA MULA DE LADO

Entretanto em Lemnos, onde, como visto anteriormente, o deus foi atirado para terra em algumas histórias, Hefesto deu o seu nome à cidade de Hephaistia, que tinha um santuário a ele dedicado. Alguns pontos de referência na ilha foram ligados ao deus e os seus trabalhos como a baía em Mudros (que significa “monte de metal fundido”). Até a terra da ilha era exportada na antiguidade pois as pessoas acreditavam que tinham qualidades como cura e veneno. Outros lugares onde Hefesto era reverenciado e muitas vezes associado com fogos incluíam Caria e Lycia. Agrigento na Sicília teve um importante templo dedicado ao deus (c. 430 AEC), embora hoje em dia reste pouca coisa desse templo. Finalmente, como era dito que o deus tinha as suas oficinas sob os vulcões, ele estava ligado a vários, mas especialmente ao Monte Etna na Sicília.

Remover publicidades

Advertisement

Representação na Arte

Na arte Grega, Hefesto é várias vezes representado a usar o pilos ou chapéu e uma exomis ou túnica. Ele também geralmente está a segurar pinças, um machado, martelo, serra ou um cinzel, e é frequentemente visto a montar uma mula de lado. A última representação é uma referência à sua perna coxa que, curiosamente, é raramente representada de maneira explicita na arte Grega. Em alguns vasos Áticos os pés do deus são mostrados apontando para trás. Ele é uma figura proeminente na parte leste do Parthenon (447-432 AEC) onde se pode ver a cena do nascimento de Atena. Este assunto mitológico era também popular na cerâmica Ática onde Hefesto, com o seu machado, abre a cabeça de Zeus de onde nasce Atena. O friso leste do Parthenon mostra todos os deuses do Olimpo em fila observando a procissão Panathenaic com Atena e Hefesto, os dois padroeiros do artesanato, sentados lado a lado a conversar.

Remover publicidades

Publicidade

Bibliografia

Sobre o tradutor

Joana Ribeiro
Someone who likes Ancient History, particularly Greek/Roman mythology.

Sobre o autor

Mark Cartwright
Mark é um historiador que vive na Itália. Seus interesses incluem cerâmica, arquitetura, mitologia e a descoberta das ideias que todas as civilizações partilham entre si. Tem Mestrado em Filosofia Política e é o Diretor de Publicação na Enciclopédia da História Mundial.

Citar este trabalho

Estilo APA

Cartwright, M. (2019, Setembro 03). Hefesto [Hephaistos]. (J. Ribeiro, Tradutora). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-10802/hefesto/

Estilo Chicago

Cartwright, Mark. "Hefesto." Traduzido por Joana Ribeiro. World History Encyclopedia. Última modificação Setembro 03, 2019. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-10802/hefesto/.

Estilo MLA

Cartwright, Mark. "Hefesto." Traduzido por Joana Ribeiro. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 03 Set 2019. Web. 25 Set 2022.