Aquiles

Fundraiser tradução

Para que estudantes de todo o mundo possam aprender sobre história gratuitamente, precisamos fornecer conteúdo em muitos idiomas diferentes. Faça uma doação hoje e ajude-nos a traduzir para que possamos causar um impacto verdadeiramente global. Obrigado!
$900 / $3000

Definição

Mark Cartwright
por , traduzido por Joana Ribeiro
publicado em 29 Setembro 2012
X

Texto original em inglês: Achilles

Achilles & Penthesileia (by Marie-Lan Nguyen, CC BY)
Aquiles e Penthesileia
Marie-Lan Nguyen (CC BY)

Líder dos temíveis Mirmidões, saqueador de cidades, e assassino de Heitor, Aquiles era simplesmente invencível em batalha, e só a intervenção divina de Apolo finalmente pôs fim ao seu longo reinado como o maior guerreiro grego de todos eles. O mais corajoso, mais forte, e até o herói mais bonito do exército grego que foi a Tróia para recapturar Helena, Aquiles também era demasiado orgulhoso e mal-humorado para o seu próprio bem, e a sua raiva imprudente custaria tanto aos seus compatriotas como ao inimigo.

Infância

Na mitologia Grega, Aquiles nasceu de Peleus e Tétis, a Nereida. Sua mãe, para tornar o seu filho imortal, segurou-o sobre um fogo divino ou em alguns relatos, o Rio Estige. No entanto, a criança foi suspensa pelo seu calcanhar e por isso esta parte do seu corpo permaneceu mortal e, por fim, esta fraqueza levaria à queda de Aquiles. Tétis, sabendo que o seu filho estava destinado a uma vida gloriosa, mas curta, procurou esconder Aquiles longe do mundo, e assim o menino foi criado em Skyros (Esquiro) com a família real de Lykomedes, mesmo em alguns relatos disfarçado de menina. Alguns relatos também dão crédito da educação do herói a Quíron, o sábio centauro que também incluiu Hércules no seu rolo de alunos.

Remover publicidades

Advertisement

A Guerra de Tróia

De longe, a fonte mais rica do nosso conhecimento sobre as escapadas de Aquiles é o relato de Homero sobre a Guerra de Tróia na Ilíada. Na verdade, pode-se argumentar razoavelmente que Aquiles é a estrela da peça, e o próprio Homero descreve a sua história como um conto da raiva de Aquiles. No início do livro, Odisseu (Ulisses), o rei astuto de Ítaca, é enviado numa missão para encontrar Aquiles e persuadi-lo a participar na guerra que se avizinha entre gregos e troianos. Odisseu era um negociador formidável, e com a sede de glória de Aquiles, a embaixada foi bem-sucedida e Aquiles, deixando para trás o seu filho Neoptólemo, navegou para Tróia. Com ele foram 50 navios rápidos, cada um carregando 50 homens do seu próprio exército privado, os Mirmidões - temíveis combatentes que tinham sido transformados de formigas pelo próprio Zeus e entregues ao seu filho Éaco, Rei de Egina e pai de Peleus.

Remover publicidades

Advertisement

Penthesilea & Achilles
Penthesilea e Aquiles
Mark Cartwright (CC BY-NC-SA)

O cerco Aqueu de Tróia durou dez anos, e durante este tempo, Aquiles destacou-se em batalha e saqueou nada menos do que 23 cidades na área circundante. No início do conflito, o herói também emboscou o príncipe Troilo enquanto bebia numa primavera e o sacrificou em honra de Apolo. Isto foi fortuito para os gregos, já que um oráculo tinha decretado que se o príncipe fosse morto antes de atingir os 20 anos de idade, então Tróia cairia. Em alguns relatos, o assassinato de Troilo ocorreu num santuário de Apolo, e isso pode explicar o rancor fatídico do Deus arqueiro contra Aquiles.

As coisas estavam a correr muito bem para os gregos nesta altura, mas a sorte mudou drasticamente para pior quando Agamémnon, rei de Micenas e líder das forças gregas, desentendeu-se com o seu maior guerreiro e Aquiles retirou-se do conflito. A discussão começou depois de Aquiles ter raptado duas beldades numa das suas incursões- Briseida e Criseida. Mantendo a primeira para si, deu Criseida a Agamémnon. No entanto, o pai de Criseida, Crises, ofereceu um resgate tentador para o regresso seguro da menina. Agamémnon recusou, e talvez porque a menina tinha sido uma sacerdotisa de Apolo, o deus estava descontente com a decisão e enviou uma praga para causar o caos entre o campo Aqueu. Agamémnon acabou por renunciar ao seu prémio, mas para se consolar com a sua perda prontamente tirou Briseida de Aquiles. Irritado e alegando que foi desonrado perante todos os seus compatriotas, Aquiles e os seus Mirmidões saíram do seu acampamento para ficar de fora do resto da guerra.

Remover publicidades

Advertisement

AQUILES O QUEBRA-HOMENS, ADORNADO COM A SUA armadura divina, estava louco de raiva.

Sem o seu guerreiro talismã, a sorte dos Aqueus diminuiu e os Troianos ganharam confiança com a ausência de Aquiles, chegando mesmo a aproximar-se perigosamente das muralhas do campo Aqueu nos seus ataques e conseguindo iniciar um incêndio entre os navios gregos. Agamémnon ofereceu presentes fabulosos e o regresso de Briseida, mas sem sucesso, e nesta hora de grande perigo, até o grande amigo de Aquiles, Pátrocles (Patroklos), apelou ao herói para reentrar na luta ou pelo menos permitir-lhe liderar os Mirmidões em batalha. Aquiles concordou com este último, e dando a Pátrocles a sua armadura, fez com que o seu amigo prometesse apenas envolver-se em ação defensiva e não perseguir os troianos de volta a Tróia. Quando os troianos viram Pátrocles com a armadura, pensaram que Aquiles tinha reentrado nos procedimentos e o pânico começou. Pátrocles, cheio de sucesso, ignorou os conselhos do seu líder e perseguiu os troianos em fuga, matando até o Lício Sarpedão, um filho de Zeus, e chegou às muralhas de Tróia. Infelizmente para o jovem guerreiro, Apolo, protetor dos troianos, decidiu naquele momento intervir, e ele bateu no capacete e na armadura do seu corpo e guiou a lança de Euforbo para o atingir pelas costas. Pátrocles só foi ferido pelo golpe, mas Heitor, o príncipe Troiano, estava perto para dar o golpe final e fatal. Seguiu-se uma longa batalha sobre a posse do corpo, com os Aqueus, liderados por Menelau e Ajax, conseguindo finalmente levar Pátrocles caído de volta ao seu acampamento.

[vídeo:6-1595]

A Fúria de Aquiles

Quando Aquiles descobriu a tragédia, ficou furioso com a raiva; agora lutaria e vingar-se-ia pela morte do seu amigo. Pediu imediatamente à sua mãe Tétis que fornecesse uma nova armadura e ela recrutou Hefesto, o deus da metalurgia, para forjar para o herói a armadura mais magnífica alguma vez feita. Homero descreve a armadura em grande detalhe; o escudo brilhante representava todo o tipo de cenas em ouro, prata e esmalte, as grevas eram de estanho brilhante, e o capacete tinha uma crista de ouro.

Aquiles, o quebra-homens, envolto na sua armadura divina e ainda lívido de raiva, foi para o campo de batalha mais uma vez e encaminhou o inimigo para a esquerda, direita e centro, enviando uma longa linha de heróis troianos para o Hades. Em seguida, foi atrás de Heitor, e embora Apolo tenha tentado três vezes proteger o príncipe em nuvens de neblina, os dois finalmente se encontraram em um único combate fora das muralhas de Tróia. Heitor, apesar de ser um grande guerreiro, não estava à altura de Aquiles, que rapidamente despachou o Troiano, e ao amarrá-lo à sua carruagem, arrastou o cadáver em frente às muralhas da cidade em plena vista da sua família de luto e depois de volta ao campo Aqueu, um ato de blasfémia, quebrando toda a etiqueta da guerra antiga.

Remover publicidades

Advertisement

Príamo, Rei de Tróia, viajou em segredo para o campo do seu inimigo para implorar a Aquiles que devolvesse o corpo do seu filho para que pudesse receber um enterro adequado. Depois de um longo e comovente apelo e com um pequeno conselho extra de Atena, Aquiles finalmente concordou com o pedido do velho rei.

Achilles and Ajax By Exekias
Aquiles e Ajax por Exekias
Dan Diffendale (CC BY-NC-SA)

Apesar destes acontecimentos dramáticos, a guerra rebentou e Aquiles continuou a dominar os procedimentos, mesmo matando Mémnon, rei dos Etíopes e sobrinho de Príamo. No entanto, o fim estava próximo para o grande guerreiro. Tal como a sua mãe temia, apesar de ganhar glória e renome, o nosso herói era para ser abatido no seu auge. Mais uma vez, foi Apolo quem interveio nos assuntos do homem e dirigiu uma flecha solta por Páris - o príncipe Troiano que tinha começado a guerra em primeiro lugar ao raptar a justa Helena. Claro, a flecha atingiu o único lugar vulnerável, o calcanhar, e assim Aquiles foi enviado para o Hades. O herói Ajax conseguiu recuperar o corpo e levou-o de volta ao campo de Aqueu, onde os ritos fúnebres foram realizados em honra do guerreiro caído. A magnífica armadura, depois de uma disputa com Ajax, foi dada a Odisseu, cujo estratagema do cavalo de madeira acabaria finalmente com o cerco e a vitória para os Gregos.

Representações na Arte

Aquiles é um tema popular na arte grega antiga, aparecendo em vasos de toda a Grécia, de Atenas a Míconos. Cenas sobre cerâmica de figuras pretas e vermelhas do século VII ao Século V AEC incluem Peleus dando o seu filho aos cuidados de Quíron, Aquiles recebendo a sua armadura divina da sua mãe Tétis, o herói perseguindo o príncipe Troilo, perseguindo Heitor e arrastando o príncipe troiano atrás da sua carruagem. Aquiles, quando está armado, usa frequentemente um capacete coríntio e um escudo com um mecanismo górgona. Uma das representações mais comuns (existem mais de 150) é uma representação de Aquiles e Ajax vestidos com a sua armadura e jogando casualmente um jogo de tabuleiro com dados durante uma pausa na Guerra de Tróia. Talvez o exemplo mais célebre seja uma figura negra de ânforas datada de 530 AEC e agora no Museu do Vaticano.

Remover publicidades

Advertisement

Bibliografia

  • Carabatea, M. Greek Mythology. Pergamos, Peania, 2007
Remover publicidades

Publicidade

Sobre o tradutor

Joana Ribeiro
Someone who likes Ancient History, particularly Greek/Roman mythology.

Sobre o autor

Mark Cartwright
Mark é um historiador que vive na Itália. Seus interesses incluem cerâmica, arquitetura, mitologia e a descoberta das ideias que todas as civilizações partilham entre si. Tem Mestrado em Filosofia Política e é o Diretor de Publicação na Enciclopédia da História Mundial.

Cite este trabalho

Estilo APA

Cartwright, M. (2012, Setembro 29). Aquiles [Achilles]. (J. Ribeiro, Tradutor). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-10354/aquiles/

Estilo Chicago

Cartwright, Mark. "Aquiles." Traduzido por Joana Ribeiro. World History Encyclopedia. Última modificação Setembro 29, 2012. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-10354/aquiles/.

Estilo MLA

Cartwright, Mark. "Aquiles." Traduzido por Joana Ribeiro. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 29 Set 2012. Web. 27 Nov 2021.